Bico duro, bico mole

Chuteira de bico mole, que apareceu principalmente na segunda metade do século passado, só tinha lugar nos pés de meio-campistas e atacantes. Os beques ficavam com as chuteiras de bico duro, próprias para mandar a bola para as nuvens e os adversários para a enfermaria.
Essa história só começou a mudar com Nilton Santos, zagueiro do Botafogo do Rio, time em que jogou a carreira toda. Quando foi para a seleção brasileira para disputar a Copa de 1950, encontrou o técnico Flávio Costa cabisbaixo. Pensou: será que o homem está triste? Engano, ele estava de olho nas suas chuteiras. E jogou duro: “Beque no meu time só usa chuteira de bico duro. Basta saber marcar e mandar a bola para a frente”.
Nilton Santos trocou as chuteiras. Mas foi por pouco tempo. Logo ele se mostraria um dos zagueiros mais habilidosos do futebol brasileiro. As chuteiras de bico duro
começavam a sair de campo.

Anúncios

Uma resposta

  1. Legal, Cacalo!!!
    Idéia muito boa!
    Muito bem escrito, pra variar!
    Abração!!!
    Cr$

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: