Feitiço-Siriri, Siriri-Feitiço

Alexander Graham Bell

Alexander Graham Bell

O Brasil já jogava bem bola. E começava a eleger o drible como a marca da maneira de se jogar futebol por aqui. O drible não começava a imperar só entre as quatro linhas. O rádio no Brasil também teve que se valer da criatividade para entrar no mundo da bola, quando foi registrada a primeira transmissão ao vivo no futebol brasileiro. Nicolau Tuma, locutor da Rádio Educadora, que mais tarde ficaria conhecido como o “Speaker Metralhadora”, grifou com todas as tintas aquela data em seu calendário: 19 de julho de 1931.

O locutor Nicolau Tuma chegou ansioso ao campo da Chácara da Floresta, no bairro da Ponte Grande, em São Paulo, carregando o trambolho exigido pela profissão: um pesadíssimo microfone a carvão, que volta e meia tinha de ser socado para nocautear o chiado. Tuma fora encarregado pela Rádio Sociedade Educadora Paulista (fundada em 1923) de transmitir o jogo entre as seleções paulista e paranaense, no Campeonato Brasileiro de Seleções.

O speaker, antes do jogo, foi ao vestiário conhecer os jogadores. Tuma, então com 20 anos, deve ter grudado bem os olhos naquela turma. Afinal, naquele tempo as camisas não tinham números. E a Rádio Educadora estava prestes a mostrar que era possível fazer transmissões ao vivo de futebol – embora tivesse que enfrentar a partir dali a resistência dos cartolas, que enxergaram no rádio um inimigo do público nos estádios, situação que mais tarde voltaria a se repetir com a televisão.

Mas os problemas de Nicolau Tuma não estavam apenas restritos à precariedade técnica. Era preciso ensinar também os ouvintes a acompanhar sua transmissão. Naquela partida, depois de comunicar ao público que estava postado na área reservada à imprensa, o locutor orientou o ouvinte para que fantasiasse um retângulo em sua frente, ou uma caixa de fósforos que fosse, como forma de visualizar o campo. “Do lado direito estão os paulistas e, do lado esquerdo, estão os paranaenses”. Depois foi torcer para que seu público desse asas à imaginação.
  

A luta para fazer vingar o radiojornalismo esportivo não parou ali. Como não havia anunciantes, Tuma também não podia calar a boca para que o ouvinte não mudasse de estação. Mesmo quando ocorria uma falta ou a bola ia para fora, ele deitava falação, descrevendo a torcida, o jogador, o juiz, o tempo, o microfonão.

Além dos gols daquela partida, em que os paulistas venceram por 6 a 4, ficou famosa a narração de uma tabelinha entre dois jogadores de São Paulo: “Feitiço-Siriri; Siriri-Feitiço; Feitiço-Siriri; Siriri-Feitiço”. A troca de passes terminaria com o gol de Siriri. O ouvinte foi à loucura. A missão do exausto Nicolau Tuma estava cumprida, apesar do microfone a carvão. Acabava de nascer ali o “Speaker Metralhadora”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: