Ronaldo, o meio-craque, põe o Corinthians no topo

Ronaldo sofre falta na área

Ronaldo sofre falta na área

Ronaldo não sai dos holofotes. Agora foi pelo pênalti sofrido no jogo contra o Cruzeiro que deixou os  mineiros nervosos. Mas foi pênalti. Coisas do meio-craque. E só é meio-craque  quem já foi craque. Jogador picareta nunca vai ser meio-craque. O Fenômeno sabe disso. O Corinthians também. O Cruzeiro também. O resto é choradeira.

Anúncios

Jabulani, o mico da Copa

Jabulani

Quem inventou a bola da Copa da África do Sul deve entender muito de Física, mas não entende nada de futebol. O inventor simplesmente acabou com um dos fundamentos mais nobres do futebol, o lançamento.

Restou o passe curto – como o técnico da Holanda recomendou aos jogadores  no início da competição -, para afugentar o momento “bumerangue” da bola, aquele em que ela enlouquece e começa a se comportar como pipa sem rabo.

Isso sem falar nos goleiros, que, amedrontados, passaram a rebater a Jabulani  para todos os lados, como uma cópia maluca de Sérgio Escadinha, líbero da seleção brasileira de vôlei.

Júlio César, goleiro da seleção brasileira, definiu a bola criada pela Adidas como “bola de supermercado”, e Fabio Capello, técnico da seleção inglesa, como a pior que já viu em toda a sua vida. Os especialistas em material esportiva deveriam aprimorar os conhecimentos sobre a história do esporte antes de colocar a bola em jogo.

Anelka chuta o balde e sai de cena

O técnico Domenech e Anelka

“Vá tomar no…, sujo filho da p…”. Este chute na canela do técnico da seleção francesa Raymond Domenech  teria partido do atacante Nicolas Anelka, depois de ter sido criticado no intervalo da partida contra o México, na quinta-feira. E ontem a Federação Francesa (FFF)  tirou o jogador do Chelsea da Copa do Mundo.

Depois do bate-boca, segundo o jornal L’Équipe, durante a manhã deste sábado houve uma reunião entre Domenech, Anelka e Patrice Evra, capitão dos Bleus. Jean-Pierre Escalettes, presidente da Federação Francesa, pediu então a Anelka que pedisse desculpas oficiais à opinião pública francesa, a Domenech, aos jogadores e à comissão técnica.
Como Anelka não quis conversa, decidiu-se pela sua exclusão do grupo.

Anelka vinha reclamando de estar muito isolado no ataque. Queria atuar mais pelos lados, idéia descartada por Domenech.
Nos dois jogos da França na Copa do Mundo, Anelka foi titular. Mas teve atuações discretas na estreia contra o Uruguai (0 a 0) e  na partida contra o México (derrota por 2 a 0).

A França pode ser eliminada ainda na primeira fase da Copa do Mundo. A equipe tem apenas um ponto no grupo A, ao lado da África do Sul. Uruguai e México estão com quatro. Na terça-feira, os Bleus enfrentam os sul-africanos em Bloemfontein às 11h (horário de Brasília).

A corrida pelo ouro

Júlio Cesar

Se depender do empenho dos ladrões, as figurinhas já se transformaram no ouro tão almejado pelas seleções que vão disputar a Copa na África do Sul. Na sexta-feira, em Santo André, Grande São Paulo, 40 mil pacotes de figurinhas do álbum da Copa foram roubados.
 

A carga valia R$ 21 mil, segundo a Secretaria de Segurança Pública. O caso foi registrado no 1º DP de Santo André, onde aconteceu o primeiro roubo de figurinhas da Copa, há um mês, quando foram roubadas 135 mil figurinhas – depois, a Polícia Militar recuperou parte das figurinhas roubadas.

O primeiro álbum da Copa foi publicado pela editora Panini em 1970.

Dunga iria pensar se Pelé teria vaga

Ganso e Neymar

Se Dunga treinasse o time de 1958, talvez ele tivesse dúvida em chamar o Pelé para a seleção. Afinal, o jogador tinha só 17 anos e pouco antes vestira a Amarelinha – camisa, aliás, que começou a fazer história naquela Copa.

Além, de moleque, Pelé era do Santos, como Neymar e Ganso. Mas Dunga tem medo da ousadia. Topa dar porrada, mas treme ao montar uma equipe que fuja do óbvio. Arroz com feijão é seu prato preferido. Nem uma pimentinha ele engole.

Neymar e Ganso sabem todos os segredos da bola. Se Dunga não levar os meninos da Vila, ele estará traindo a história da seleção brasileira, que mostrou para o planeta uma nova ma maneira de jogar futebol.

Dunga

Os traídos são Pelé, Garrincha, Leônidas, Ronaldo, Ronaldinho, Kaká, Zagalo, Sócrates, Zico, Careca, Júnior, Romário, Tostão, Gérson, Rivelino… O resto é balela.

Ronaldinho com a corda no pescoço

Ronaldinho

Ronaldinho, excelente artista da bola, está prestes a perder o avião para a Copa da África do Sul. Se Ricardo Teixeira não interferir, ele está fora mesmo. Dunga já fechou questão sobre o assunto.

A contusão do cara chama-se deslumbramento. No período em que patinava no Milan – depois de brilhar no Barcelona – e não se preocupava em mostrar serviço para sentar na janelinha do avião, ele chegou a fazer partidas em que fazia embaixadas no gramado, sem sentido e sem objetividade, só para mostrar o quanto era habilidoso.

Garrincha, enquanto esteve com saúde, também brincava com a bola e fazia algazarra fora de campo. Mas, no gramado, era um inferno para os adversários. E ganhou a Copa de 1962 como a estrela maior.

Tomara que haja engano. Mas a impressão é que Ronaldinho dançou e que certos craques viajam para a lua na hora do espetáculo.

Lusa: a novela

Leaozinho, mascote da Lusa
Lusa tropeça e perde para oVila Nova, a torcida berra nas arquibancadas, conselheiros invadem o vestiário e apontam o berro para os jogadores e comissão técnica, o técnico René Simões puxa o carro do Canindé, o estádio da Portuguesa é interditado.

Chega o novo técnico, Vágner Benazzi, acostumado a apagar incêndios e que já deu um jeito de impedir que a Lusa despencasse para a série C. O bombeiro é rápido. A Lusa venceu o Fortaleza por 1 a 0 fora de casa na sexta-feira. 

No capítulo anterior, a Lusa havia recebido o Vasco da Gama. A previsão era de festa para o encontro dos dois times da colônia portuguesa. Mas o pau quebrou. Fora de campo, visitantes reclamaram de pancadas da torcida adversária. Dentro de campo, três atletas da Lusa foram embora do campo antes do fim da festa, acusados de hostilidades. Um vascaíno também foi pro chuveiro por jogada violenta. Fim de festa.

Hoje tem novo capítulo da história desse time fundado em São Paulo em 1920. Mas é um capítulo menor. É apenas um jogo. Lusa e Figueirense vão entrar em campo no Arena Barueri. O Canindé, comprado em 1956, está fechado para reflexão.