Jabulani, o mico da Copa

Jabulani

Quem inventou a bola da Copa da África do Sul deve entender muito de Física, mas não entende nada de futebol. O inventor simplesmente acabou com um dos fundamentos mais nobres do futebol, o lançamento.

Restou o passe curto – como o técnico da Holanda recomendou aos jogadores  no início da competição -, para afugentar o momento “bumerangue” da bola, aquele em que ela enlouquece e começa a se comportar como pipa sem rabo.

Isso sem falar nos goleiros, que, amedrontados, passaram a rebater a Jabulani  para todos os lados, como uma cópia maluca de Sérgio Escadinha, líbero da seleção brasileira de vôlei.

Júlio César, goleiro da seleção brasileira, definiu a bola criada pela Adidas como “bola de supermercado”, e Fabio Capello, técnico da seleção inglesa, como a pior que já viu em toda a sua vida. Os especialistas em material esportiva deveriam aprimorar os conhecimentos sobre a história do esporte antes de colocar a bola em jogo.

Anúncios

Bola zomba dos goleiros

Torcida africana

Torcida

A Jabulani mostrou a cara no jogo entre Inglaterra e Estados Unidos, quando ziguezagueou na frente do goleiro Green e deu o empate aos americanos no sábado.

Domingo foi a vez do goleiro argelino Chaouchi, que tomou o único gol do jogo contra a Eslovênia.

Enquanto a bola zomba dos jogadores, os técnicos dão tratos à bola de como lidar com ela. O técnico da Holanda, time que venceu ontem a Dinamarca por 2 a 0, orientou os atletas que a Jabulani não gostava de passes longos e lançamentos.

A ordem de Bert van Marwijk era para que escolhessem os passes curtos. Não recomendava também chutes longos, que levavam a bola para as nuvens em Johannesburgo.

O ideal era para que optassem por arremates de média distância. Aí, os goleiros que se ver diante da Zabulani. A bola e a Vuvuzela, por sinal, estão na mira da Fifa.

Técnicos, jogadores, jornalistas e parte dos torcedores – aqueles sem a Vuvuzela – não podem nem mais pensar nas cornetas, os marimbondos que invadiram os estádios. A Zabulani cuida dos frangos, a Vuvuzela testa o equilíbrio mental.